Papel Principal

" Amar é ter um pássaro pousado no dedo.

Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento ele pode voar."

Rubem Alves

Nenhum de nós é tão bom quanto todos de nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos de nós juntos

terça-feira, 10 de abril de 2012

Como é que o bebé foi para dentro da barriga da mãe?

Na partilha das experiências vivenciadas durante as interrupções da Páscoa, no momento da manhã ao redor da mesa grande uma criança dizia:
- Eu vou ter um mano ou uma mana, a minha mãe tem um bebé na barriga.
Intervenção do Afonso:  Como é que o bebé foi para dentro da barriga dela?
- Não sei, responde a primeira.
Retorquiu a segunda com um o seu jeito inocente: Já sei então ela comeu um bebe ao almoço e depois ele ficou na barriga dela!
Alexandre: Não é nada disso! Foi uma sementinha que foi para a barriga da mãe.
Leonor Morgado: Eu acho que vamos precisar outra vez do meu livro, se quiseres eu posso trazer amanha, mas eu acho que o pai também entra nisso!
Marta: Pois, é o pai que põe a semente.
Afonso: E como põe na barriga da mãe? Mete na boca.
Miguel: Ou vai pelas narinas?
Tomas: Entra pelo umbigo.
Afonso: eu acho que a mãe vai ao hospital e o médico abre a barriga e põe o bebé dentro.
Alexandre: Ainda bem que eu não sou mulher!
Sara: Não é nada assim, a mãe vai ao hospital para tirar o bebé não é para por na barriga. O bebé é uma sementinha que cresce na barriga da mãe.
Afonso: Então o médico mete a semente numa pica e dá a pica à mãe e o bebé começa a crescer.
Alexandre: Não é assim, o pai é que dá a semente, depois a semente cresce e depois o bebé sai pelo “pipi” ou então o médico corta a barriga e tira o bebé.
Educadora: Se calhar é melhor vermos o livro da Leonor e a Graça também vai trazer outro que se chama “ A Matilde vai ter um mano”, depois voltamos a conversar.

2 comentários:

Maria da Luz Borges disse...

Perguntas complicadas... Não porque não se conheça a resposta, mas porque temos que ter muita sensibilidade para que o momento seja mesmo um momento único... Eu, mesmo involuntáriamente fico sempre atrapalhada... Mas já este ano passei pelo tema...
Bom trabalho!

Pedro disse...

Muito bom este diálogo. As perguntas não são complicadas, as respostas é que poderão ser...