Papel Principal

" Amar é ter um pássaro pousado no dedo.

Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento ele pode voar."

Rubem Alves

Nenhum de nós é tão bom quanto todos de nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos de nós juntos

sábado, 27 de novembro de 2010

Semana de 22 a 26 de Novembro

Iniciamos a semana com a partilha habitual. A Carla e a Sara também estavam presentes porque trocaram a quarta feira pela segunda, esta semana.
A Carla depois das rotinas e do planeamento apresentou um pictograma com uma linda canção das cores.Repetimos frase a frase, ora com voz grossa, ora com voz fina, muito alto, baixinho, com um tom zangado, com um tom alegre, com esta brincadeira aprendemos rapidamente a letra da música. Colocamos o instrumental e parecíamos autênticos papagaios.


Posteriormente dividimos o grupo, as crianças mais novas ficaram uma actividade lúdica de descoberta e associação de cores e as mais velhas foram para os trabalhos que tinham planeado.
A Carla tinha um estojo mágico com lápis de cor e as crianças tentavam adivinhar a cor do lápis magico e encontrar um cartão com a mesma cor, colocando-o no quadro.


















No fim da actividade trocamos, só que desta vez o desafio era outro:
Numa tira de papel de filtro cada criança fez um circulo preenchido com uma cor à sua escolha.

De seguida colocamos a tira na vertical dentro de um copo com um pouco de alcool. Fomos ouvindo o que é que as crianças achavam que ia acontecer:
" Vai mudar de cor"
"O Alcool vai apagar a tinta"








Verificamos o que aconteceu, mas o vermelho, o azul e o amarelo continuavam só com aquela cor. Então a Carla explicou que isso acontecia porque eram cores primárias, exploramos um pouco este conceito, mas dado o avançado da hora só tivemos tempo para registar o que vimos no quadro de dupla entrada







Na terça feira, dia normalmente destinado às experiências regressamos ás cores para experimentar criar cores a partir das primárias.
Seguimos o protocolo e fomos ao armário das ciências buscar o material necessário. As tintas fomos busca-las à área da plástica.
Começamos por colocar 50ml de água no goblé, com a ajuda de uma colher colocamos duas cores primarias, à escolha da criança, antes de dissolver a tinta na águas fizemos previsões do que achavamos que ia acontecer e porquê. Por fim verificavamos o resultado e tiravamos conclusões.















No fim misturamos as cores todas e obtivemos uma cor preta.





Uma criança pergunta: " então o preto é as cores todas misturadas!"



Por razões pedagógicas quisemos integrar as questões da diferença e a educação para a diversidade neste contexto. Já tinhamos observado ao longo do projecto " Porque caem as folhas" como a natureza é versátil e diferente, com os animais vivemos a mesma realidade, a história do "Sapo e do estranho", ajudou-nos a dar o salto para os humanos e as suas relações com os outros.
Vejam que coisas lindas disseram estas crianças:

Concepções das crianças sobre a diferença:
Francisco “ As pessoas são diferentes porque não são iguais”
Sara: “ Porque elas têm o corpo diferente”
Isa: “ Algumas não têm a mesma cor da pele”
Tomás: “Olha, não são iguais uns aos outros, porque uns são pequenos, outros são grandes, uns são rapazes e outras meninas.”
Joana: “ Eu sou maior que a Isa”
Inês: “ Somos diferentes no tamanho e na roupa que usamos”
Valentina: “Os Olhos também são diferentes”
Mariana: “Na idade”
Leonor Morgado: “ Na voz”
Brenda : “Nos cabelos”
Porque é que somos diferentes?
Tomás: “ Ó Graça se fossemos todos iguais não havia rapazes nem meninas, ou eram todos rapazes ou todas meninas”
Mariana: “ olhávamos sempre para a mesma cara”
Isa: “ A mãe nem nos conhecia”
Alexandre: “ e nós não conhecíamos a mãe porque eram todas iguais”
Sara:” Nem sabíamos quem era a professora”
Então ser diferente é bom ou é mau?
Tomás: “ É bom, não somos iguais”
Mariana: “ Quando as mães chegam sabem quem são os filhos”
Isa “ se fossemos iguais não aprendíamos coisas novas, pensávamos todos igual!”
Gabriel: É bom ser diferente as pessoas não são iguais e não podem ser”
Alexandre: nós não temos roupas iguais e pensamos pela nossa cabeça.”
Margarida: “A minha cabeça as vezes pensa em bonecas, mas alguns meninos pensam em carros.”
Leonor Morgado: “ Também somos diferentes porque sonhamos coisas diferentes, eu no outro dia sonhei com fantasmas…”

Aproveitamos os animais para fazer uma resolução de problemas:
Na quinta do Tio Manel havia: 2 patos, 2 galinhas,2 cães, 2 ovelhas e 2 vacas.
Quantos animais tinha o tio Manel na quinta?

Esta soma sucessiva de nº iguais está na base da multiplicação, falei dela de forma lúdica como lúdica era a situação.
Esta situação foi integrada numa história, onde tivemos oportunidade de verbalizar as diferenças dos animais quer ao nível do revestimento, como da locomoção e alimentação.
O registo ficou a cargo das crianças mais velhas.







































Banho da boneca:



































E agora para terminar a semana partilho algo que me fascinou.
De facto as crianças são fantásticas e quando lhes damos oportunidades para pensarem sobre as coisas surgem ideias maravilhosas, senão vejamos.
Antes de introduzir o poema de Vinícius de Morais “ A Porta”, sugeri que associassem acções ao movimento abrir e fechar, resposta rapida das crianças:
Porta, janela, mãos, gaveta, caixa, livros, garrafas, boca, olhos, fechos, botões, frigoríficos, armários, sacos, mochilas.
Não é fantástico?
Na hora de lavar as mãos propôs outro desafio, a palavra era piano:
Musica, teclas, pauta, e uma criança disse lengalenga.
Perguntei porquê?
“ Olha lá em cima do piano está um copo com veneno quem bebeu morreu, viste que tem piano”
Estas crianças enchem-nos a alma, maravilhoso.


Actividades na área da expressão plástica:









domingo, 21 de novembro de 2010

Semana de 15 a 19 de Novembro

Esta semana demos continuidade ao projecto" Porque caem as folhas". Como tínhamos combinado, as alunas do 8º ano da Pedro Barbosa, escola sede do Agrupamento, foram ao nosso Jardim, para colaborar no nosso projecto.
Começaram por apresentar alguns slides sobre as árvores de folha caduca e árvores de folha persistente ou perene.
Ficaram muito admiradas porque rapidamente identificamos, as respectivas árvores e falamos das descobertas que já tínhamos feito.
Manipulamos folhas caducas com uma pigmentação castanha, amarelada e vermelha e folhas de árvores perenes de pigmentação verde.
Verificamos que o revestimento das folhas era diferente e esta característica é muito importante para suportarem o frio.
Também observamos nos slides que normalmente as árvores de folha perene que registem ao frio têm uma formato em triangular, para que o gelo e a neve possam escorrer com mais facilidade.
Surpreendemos as nossas visitantes ao falarmos da clorofila e da experiência que tínhamos feito na sala para retirar a clorofila bruta das folhas.
O que não sabíamos e aprendemos com a experiência que as colegas do 8º ano traziam, é que os outros pigmentos (castanho amarelo e vermelho) também estão presentes nas folhas, mas são tapados pela clorofila, quando as folhas na árvore deixam de produzir clorofila, os outros pigmentos que estavam tapados aparecem e a folha apresenta a cor dos outros pigmentos.
Mostraram-nos num tubo de ensaio a experiência onde retiraram o pigmento amarelo e castanho das folhas.
Aprendemos muito com esta parceria
Queremos agradecer a professora Carla e as alunas que foram ao nosso Jardim, gostamos muito.






Como aprendemos muitas palavras novas com este projecto decidimos fazer um dicionário, com as palavras que aprendemos.
Também fizemos uma avaliação do que tínhamos aprendido com este projecto, aqui fica o resultado.
M.- “ As folhas caem porque estão a perder a clorofila. As árvores estão a adormecer porque estamos no Outono.”
V.-”As folhas quando perdem a clorofila mudam de cor, ou ficam castanhas, amarelas, vermelhas caem no chão e depois ficam podres e desaparecem ou então são comidas pelas minhocas.”
T.-“ As árvores não têm olhos, nem boca, nem nariz, mas sabem quando chega o frio e deixam de produzir clorofila. As folhas caem, são folhas caducas, mas há árvores que não deixam cair as folhas, porque são de folha perene.
Mg.M. -“ aprendi que quando chega o frio as folhas ficam frágeis e com a chuva e o vento caem, são folhas caducas. Se não deixassem cair as folhas as árvores morriam com o frio.
In. –“ As árvores adormecem e deixam de produzir clorofila.




Actividades nas áreas:



















Motricidade