Papel Principal

" Amar é ter um pássaro pousado no dedo.

Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento ele pode voar."

Rubem Alves

Nenhum de nós é tão bom quanto todos de nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos de nós juntos

sábado, 24 de outubro de 2009

Semana de19 a 23 de Outubro

Semana de 19 a 23 de Outubro
Iniciamos a semana com a partilha habitual das coisas importante que fizemos e vivemos durante o Fim-de-semana. Este pôr em comum Sedimenta o espírito de grupo que vive e sente as suas alegrias e as dos colegas.
É interessante verificar como as crianças do grupo esperam por este momento e como de forma ordenada ouvem e verbalizam as suas vivências.
Durante este momento as crianças fazem um esforço por se situarem no tempo exacto, sábado, domingo, de manhã, à tarde ou noite e organizam o seu discurso respeitando quase sempre a cronologia dos acontecimentos.
Uma vez que não podemos estar muito tempo na mesa grande, porque nos cansamos, a educadora apela ao pode de síntese partilhando só os aspectos que no parecer das crianças foram mais significativos.
Com frequências as crianças levantam questões:
“Marta essa exposição de aves fica em Barcelos? Professora Barcelos fica ao pé do Porto?”
Estes são oportunidades únicas para no mapa de Portugal localizarmos, Viana do castelo, Barcelos e por último Porto.
A Estagiária Rafaela apresentou um livro com a História” O Rato Dentolas”
As Crianças associaram o nome ao fantoche existente na sala e acrescentaram que “de certeza são primos”, porque têm o mesmo nome.
No fim da História e do reconto através das perguntas feitas pela estagiária a Alexandra perguntou “porque é que caem os dentes as crianças?”
Houve logo no grupo quem quisesse responder: -“ porque comem muitos doces e bolos”
- “Porque não lavam os dentes”
Em conjunto achamos que era melhor descobrir qual o verdadeiro motivo porque caem os dentes.
Formou-se um grupo de trabalho que inicialmente registou as coisas que já sabíamos, concepções das crianças, o que queríamos saber, onde poderíamos obter a informação, como íamos fazer e quem se responsabilizava pela recolha e tratamento de dados, transformando-os em conhecimentos úteis e comunicáveis.



Na Segunda feira à tarde fomos ao Jardim de Infância de Santiago da Barra assistir a uma peça de teatro de Tom Sawyer






Resolução de Problemas:
Com a definição do nº de crianças por área aproveitámos para introduzir uma situação problemática.
Se podem estar 4 crianças na área da matemática então como se podem organizar? Quantas podem ser meninas e quantos podem ser rapazes?

“Podem ser 4 meninas”
1+1+1+1 =4

Também podem ser 4 rapazes.
1+1+1+1=4

“Ou dois rapazes e duas meninas.”
2+2=4

Uma menina e três rapazes.
1+3=4

“Também podemos trocar e fica três rapazes e uma menina”
3+1=4

O registo ficou ao critério das crianças. Foi interessante verificar como algumas crianças representaram e explicaram o seu raciocínio.
“4 meninas”
“Depois fiz um padrão 1 rapaz uma menina 1 rapaz e uma menina.”
“Dá duas meninas e dois rapazes.”
“Ou podíamos fazer dois rapazes e duas meninas, também é um padrão”
“Depois é uma menina e três rapazes e três meninas e um rapaz”



Algumas crianças só representaram e verbalizaram duas hipóteses, apesar de terem vivênciado com o corpo e participado na discussão. No registo só ficou: -“ 4 rapazes e 4 meninas.”


Outra actividade implementada pela Estagiária Rafaela e que fez as delicias do grupo foi a experiência “ fabricar pasta de dentes”.
Esta foi uma forma de desafiar a continuidade no projecto “ “Porque caem os dentes?”





Registo dos Ingredientes e do material necessário.

O Miguel trouxe para a nossa escola um fruto chamado medronho.
O restante grupo não conhecia nem tinha ouvido falar. As criança perguntaram se era parecido com os morangos. O Miguel explicou que não.


Tinha a casca áspera era doce e crescia numa árvore que se chamava medronheiro.
O Miguel representou a árvore, para nos ajudar a conhecer melhor este fruto.
Depois com uma faca a Educadora dividiu os medronhos e todos tivemos oportunidade de experimentar.

No dia seguinte o Miguel trouxe um pequeno galho da árvore do medronheiro e explicou-nos que alguns medronhos ainda estavam verdes. Vimos o formato e textura das folhas.

Porque não é um fruto muito comum fomos partilhar esta experiência com os meninos das outras salas.

Na sessão de motricidade divertimo-nos imenso com as propostas feitas pela Rrafaela e também dos nossos colegas.



O Sérgio quando se dirigiu a área do desenho verbalizou que ia fazer um projecto de um jogo. Espontaneamente elaborou um labirinto e foi solicitando à educadora que escrevesse algumas palavras para identificar os obstáculos a ultrapassar.



Depois de registar o labirinto de um lado e do outro da folha foi ter com a Educadora e disse: -“ Deste lado é o primeiro nível se conseguirem passar estes obstáculos todos podem passar para o segundo nível.”
“ Fiz um jogo divertido não achas?”
Confirmei que sim e tentei compreender melhor a dinâmica e o seu raciocínio ao longo da construção.
Verifique que o Sérgio foi dificultando o percurso, com saídas secretas, chaves diversas, bolas de fogo, cordas para saltar…
Sempre com um objectivo aumentar o nível de dificuldade na execução.
Na sexta-feira para além de trabalharmos no projecto dos dentes e nas actividades das diversas áreas fizemos a hora do conto com os meninos da Turma A do primeiro ciclo.
A Equipa da ETAR foi à hora do conto explicar-nos como são tratadas as águas residuais na estação de tratamento.
Também nos sensibilizaram para o facto de não deitar papel na sanita, óleos e restos de comida porque estes componentes poluem mais a água e dificultam o seu tratamento.
Tivemos pena de não tirar fotografias, mas a Graça Esqueceu-se da máquina no Jardim.
Na avaliação as crianças referiram com positivas as actividades da semana e registaram como menos positivo a falta de recreio devido a chuva e alguns conflitos nas interacções.

1 comentário:

Juca disse...

Uma semana plena de experiências e partilhas significativas e alicerçada no "papel principal" da criança como construtora do seu processo de desenvolvimento.
Não se pode pedir mais nada!
Continuem o bom trabalho... nós continuaremos a espreitar e aprender sempre mais.