Papel Principal

" Amar é ter um pássaro pousado no dedo.

Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento ele pode voar."

Rubem Alves

Nenhum de nós é tão bom quanto todos de nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos de nós juntos

domingo, 27 de setembro de 2009

Actividade de matemática com pentaminós semana de 21 a 25 de Setembro














Esta actividade de matemática com pentaminós foi inicialmente apresentada em grande grupo e depois explorada em pequenos grupos.

sábado, 26 de setembro de 2009

Como chegamos à escolha dos personagens da história da Capuchinho Vermelho

No decorrer dos dias, procuramos estar atentas ao que emerge das crianças para perceber os seus interesses e motivações.
Esta fase inicial de conhecimento e diagnóstico do grupo e de cada criança, está a exigir, do educador algumas estratégias, para observar e registar comportamentos, competências, aptidões, conhecimentos… no sentido de recolher dados importantes para a elaboração do projecto Curricular de Turma.
Na nossa perspectiva não há nada melhor do que observar e registar num contexto natural, onde estão presentes as interacções, a cooperação entre os pares e com os materiais, a participação de grande e pequeno grupo, a linguagem, as vivências e experiências, as habilidades motoras…
As crianças são criativas e estão sempre cheias de propostas e intenções de trabalho e como não podia deixar de ser fomos agarrando algumas, porque sabemos que a motivação implica maior envolvimento e este traz novas aprendizagens.
Agarrar as propostas das crianças, em detrimento da planificação da educadora foi sempre um princípio a ter em conta na nossa prática pedagógica.
Neste contexto surgiu, por parte das crianças, a intenção de fazerem o teatro do capuchinho Vermelho, no ginásio para os colegas das 3 salas do Jardim e os colegas que foram este ano para o 1º ciclo.
Como também era de esperar, resolveram rapidamente a questão:
“ Fazemos amanhã de manhã no ginásio e à tarde na escola do 1º ciclo.”
Educadora: “ Muito bem, então quem são os actores?”
Alexandra: “ Eu sou o Capuchinho Vermelho, que eu já sei fazer”
Matilde: “ Eu é que sou.”
Beatriz: ” Eu também quero ser que ainda não fui”
Depois da discussão em grande grupo, verificamos que era impossível fazer o teatro a sério, sem primeiro planear e estruturar a actividade.
Perguntamos as crianças se tinham alguma forma de seleccionar os personagens, uma vez que mais de metade das crianças estavam interessadas em participar activamente, como actores, no projecto.
Muitas crianças deram sugestões que caiam por terra por não agradar a todos os elementos.
Uma das propostas feita por foi:
João: - “ Já sei, tu escolhes”
Depois de conversamos sobre a proposta verificamos que não era justa e por isso era melhor encontrar outra.
Foi nessa altura que chamei ao Jardim, a situação política que estamos a viver e apresentei a proposta de também nos fazermos uma votação.
O Grupo aceitou e choveram candidatos para os diversos personagens da história.
Cada criança, que se candidatava, argumentava porque o fazia.
Escrevemos os nomes dos candidatos no quadro e cada um votou no colega que na sua opinião era melhor para o cargo.
Depois contamos o número de votos, o candidato com mais votos ficou com o papel.
Bem, ficamos surpreendidas com a atitude dos menos votados.
Contrariamente ao que estávamos à espera, uma vez que o grupo integra alguns elementos que ainda não lidam muito bem com o não, a situação foi pacifica e as crianças aceitaram a decisão dos colegas.
Só uma criança verbalizou, de forma ordeira, que achava que ela fazia melhor o papel do Capuchinho do que a colega escolhida.
Para a semana teremos certamente mais cenas deste capítulo.

Ainda sobre o vírus da gripe A








Como ficou em aberto na semana anterior, a propósito dos microrganismos invisíveis, fizemos uma preparação de salsa e água e deixamos alguns dias a repouso na nossa sala, que é um forno autêntico, para posteriormente observamos ao microscópio.
Passados quatro dias fomos observar.
Bem, nem queríamos acreditar!
Aquela gotinha de água que parecia inofensiva estava repleta de microrganismos que se moviam de um lado para o outro. As crianças estavam fascinadas com o que viam. Perante tanto entusiasmo mostramos outras lâminas já preparadas com insectos minúsculos e até mesmo um bocadinho de bambu.
“Que nojo! tantos bichos!”
“Aquela água, que colocamos na lâmina parecia limpa, mas está cheia de bichos!”
“São os vírus da gripe A?”
A resposta é óbvia, mas serviu para as crianças perceberem que o facto de não ser visível aos nossos olhos não quer dizer que os micróbios não estejam lá.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Sessão de motricidade

Panorama da sala de actividades












Actualização do quadro dos aniversários




Aqui fica a actualização, num quadro de barras, dos anos das crianças da sala.

Definição de algumas regras da sala.





Na semana anterior com a leitura do livro "Não faças isso Rita Salpico!" iniciamos uma discussão em grande grupo sobre como seria o Jardim de infância ideal.
As crianças foram dizendo o que na opinião delas contribuía para o conceito do Jardim ideal.
Um dos aspectos mais falados foram as regras e comportamentos.
Resolvi levar uma história criada, pela educadora Juca, que fala das regras na escola do Ruca.
As crianças ficaram encantadas com as imagens e resolvemos adaptar as regras criadas pelo grupo, a figura do Ruca.
Aqui estamos nos a trabalhar no cartaz.

DRAMATIZAÇÃO DO CAPUCHINHO VERMELHO


Na semana passada a Educadora contou a história do capuchinho Vermelho utilizando o fantoche do Lobo Mau para dar mais vida e intensidade à situação.
As crianças entusiasmadas quiseram dramatizar o conto, como não deu tempo porque se aproximava a hora de saída deixamos para outro dia.
Esta semana de manhã o Lobo Mau lembrou-se de vir cantar os bons dias e trouxe de surpresa o fato do Capuchinho vermelho.
As crianças eufóricas tentaram organizar-se, mas foi necessário o reconto para identificar o número de personagens, a identificação dos espaços de cada cena e a sequência lógica dos acontecimentos.
Depois escolhemos, com muita dificuldade, porque todos queriam fazer tudo, os meninos para cada personagem. O entusiasmo foi tanto, que tivemos que repetir algumas vezes.
Foi um momento de grande envolvimento, participação e muita alegria.
É gratificante contribuir para o bem-estar e felicidade destes pequenos procurando sempre dar-lhes oportunidade de experimentar situações novas e proporcionar novas aprendizagens.

sábado, 19 de setembro de 2009

Semana de 14 a 18 de Setembro reformulação do quadro dos anos

Com o aniversário da Catarina e Joana, duas irmãs gémeas, verificamos que o quadro dos anos, elaborado no ano anterior, estava desactualizado.
Um grupo de crianças com algum reforço da educadora resolveu meter mãos à obra e reformular o quadro.




As crianças do grupo de trabalho abordaram cada criança para identificar e registar os anos de cada um.

Num trabalho de cooperação um elemento do grupo identificava o nome dos colegas no quadro das presença e outro ordenava os nomes no quadro dos anos.

vamos continuar este trabalho para a semana.